Doria e Eduardo Leite disputam no PSDB preferência para candidatura ao Planalto

Com mais apoios, governador paulista é favorito na disputa com o colega gaúcho pela candidatura tucana ao Palácio do Planalto

imagem de reprodução

 imagem de reprodução

As prévias tucanas começam neste domingo com o governador de São Paulo, João Doria, à frente de seu principal adversário interno, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. A vantagem se dá pelos apoios já anunciados ao paulista em viagens feitas pelo país nos últimos meses. Até aqui, Doria soma, em tese, um terço do eleitorado do PSDB. Outros 10% fecharam com Leite — o restante segue em aberto, assim como a disputa interna, que promete ser acirrada.

Em um evento do PSDB Mulher, o governador João Doria (PSDB-SP) prometeu, ontem, que vai convidar uma mulher para compor chapa na disputa à Presidência da República no ano que vem. O ato pré-campanha ocorreu em São Paulo e contou com a presença da ex-governadora do Rio Grande do Sul Yeda Crusius, que prometeu apoiar o tucano.

“Se tivermos oportunidade de vencer, além de dialogar com vários outros partidos, vamos buscar uma mulher para ser vice na chapa do PSDB na Presidência da República”, garantiu Doria. No mesmo evento, ele assinou um compromisso para ampliar a participação das mulheres na política.

De acordo com a publicação do Correiobraziliense, na última semana, o governador de São Paulo intensificou sua agenda, com participações em eventos cada vez mais frequentes. Ele tem adotado uma postura pública com discursos mais firmes contra a corrupção e a favor de privatizações. Amanhã (20), Doria estará em Brasília para oficializar sua candidatura à Presidência nas prévias do PSDB.

Rejeição menor

Ainda que atrás de Doria no momento, Eduardo Leite tem menos rejeição dentro e fora do partido, o que o coloca, segundo aliados, com chances reais de crescimento. Prefeitos tucanos de Santa Catarina, por exemplo, foram até o gaúcho para incentivá-lo. O estado é considerado o mais bolsonarista do país.

Dois ex-presidentes do PSDB-SP oficializaram apoio a Leite — Antonio Carlos Pannunzio e Pedro Tobias, este ligado ao ex-governador Geraldo Alckmin, que cogita migrar para o PSD.

De perfil mais discreto e menos crítico a Jair Bolsonaro, Leite tem, ao menos por enquanto, mais aliados no Congresso. Dos sete senadores, dois são considerados bolsonaristas — Roberto Rocha (MA) e Rodrigo Cunha (AL) — e, por isso, mais avessos a Doria.

Entre os demais, apenas Izalci Lucas (DF) declarou apoio ao paulista. Ele receberá Doria em almoço após o ato de inscrição, amanhã, em Brasília. Se Tasso desistir, a tendência é que apoie Leite e leve com ele os votos de Plínio Valério (AM) e Mara Gabrilli (SP).

Pelo calendário definido pela Executiva Nacional, os postulantes a presidenciável em 2022 terão pela frente dois meses de campanha. O primeiro turno está marcado para 20 de novembro.

 

 

 

 

Com informação do Correiobraziliense

Mais de Política